INFOMONEY | Os mercados operam majoritariamente em queda nesta manhã mesmo após as conversas entre o principal negociador comercial chinês, Liu He, com o representante comercial dos EUA Robert Lighthizer e o secretário do Tesouro Steven Mnuchin. Segundo a CNBC, os investidores reagem com cautela porque não ficou claro se os dois lados chegarão a um acordo antes de 15 de dezembro, quando novas tarifas americanas sobre produtos chineses deverão entrar em vigor.

Pexels / Pixabay

“Os dois lados discutiram a resolução de questões centrais de interesse comum, chegaram a um consenso sobre como resolver os problemas relacionados e concordaram em permanecer em contato sobre as questões remanescentes de um acordo de fase um”, disse o comunicado em chinês, segundo uma tradução da CNBC.

No Brasil, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que, diante da redução da taxa básica de juros no país, o câmbio de equilíbrio “tende a ir para um lugar mais alto”.

“Quando você tem um fiscal mais forte e um juro mais baixo, o câmbio de equilíbrio também ele é mais alto”, afirmou Guedes durante coletiva em Washington.

Já o presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira “tudo pode acontecer na vida da gente”, quando questionado se o Brasil pode deixar o Mercosul devido a mudança política na Argentina.

Confira os destaques desta terça-feira:

1. Bolsas Internacionais

Mesmo após as conversas os futuros de Nova York operavam em queda nesta manhã, assim como os mercados europeus. Na Ásia, as principais bolsas fecharam sem sinal definido.

Os líderes das negociações comerciais sino-americanas conversaram por telefone na manhã de hoje, segundo um comunicado do Ministério do Comércio da China.

Segundo a CNBC, participaram da conversa o ministro do Comércio da China, Zhong Shan, o governador do Banco Popular da China, Yi Gang, e Ning Jizhe, vice-presidente do principal órgão de planejamento econômico da China, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, de acordo com o Ministério do Comércio.

Já o banco central da China divulgou hoje um esboço de diretrizes sobre a avaliação dos bancos sistemicamente importantes do país, segundo a Reuters. As diretrizes ajudarão os reguladores a identificar os credores cruciais para o sistema financeiro da China e, assim, reduzir e afastar os principais riscos financeiros, disse o Banco Popular da China (PBOC) em seu site oficial.

Destaque ainda para o Grupo Alibaba que fez a terceira maior estreia já registrada no mercado de Hong Kong, fechando a primeira sessão de negociação com alta de 6,6% em relação ao preço de emissão.

Nos EUA, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que o copo da economia americana está “mais da metade cheio”. Powell repetiu a mensagem adotada desde que o Fed baixou as taxas pela terceira vez este ano, em 30 de outubro, sinalizando que a política monetária está no modo espera por enquanto.

Entre as commodities, após operarem em baixa durante a madrugada, os preços do petróleo subiam no início da manhã, enquanto os investidores buscam informações sobre as negociações comerciais entre EUA e China.

Já os futuros de minério operam em queda, após forte alta da sessão da véspera.

Confira o desempenho dos mercados, segundo cotação das 07h23 (horário de Brasília)
» S&P 500 Futuro (EUA), -0,06%
» Nasdaq Futuro (EUA), -0,05%
» Dow Jones Futuro (EUA), -0,04%

» DAX (Alemanha), -0,27%
» FTSE (Reino Unido), -0,02%
» CAC-40 (França), -0,12%
» FTSE MIB (Itália), -0,18%

» Hang Seng (Hong Kong), -0,29% (fechado)
» Xangai (China), +0,03 (fechado)
» Nikkei (Japão), +0,35% (fechado)

» Petróleo WTI, +0,47%, a US$ 58,28 o barril
» Petróleo Brent, +0,33%, a US$ 63,86 o barril

**Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam com baixa de 0,38%, cotados a 654,50 iuanes, equivalentes a US$ 92,97 (nas últimas 24 horas). USD/CNY= 7,0392 (+0,06%)

» Bitcoin, US$ 7.207,92, +5,67%

2. Agenda de indicadores

No Brasil, às 8h00, a FGV divulga a sondagem da indústria da construção e o INCC de novembro. Já as 10h00, será publicado o relatório da dívida pública federal de outubro.

Nos Estados Unidos, às 10h30, saem os números da balança comercial de outubro, os dados de manufatura do Fed Filadélfia, o índice nacional de preços residenciais de setembro e as novas vendas de imóveis residenciais para outubro.

Saem ainda, às 12h00, os dados de confiança do consumidor de novembro do Confedere Board e as pesquisas de atividade do Richmond Fed e os dados dos serviços do Dallas Fed.

No corporativo, publicam balanços Best Buy, Dollar Tree, Autodesk e Dell.

3. Paulo Guedes e dólar

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse não estar preocupado com a valorização do dólar frente ao real e que é preciso se acostumar com o elevado patamar da moeda americana.

“O dólar está alto. Qual o problema? Zero. Nem inflação ele [dólar alto] está causando. Vamos importar um pouco mais e exportar um pouco menos”, afirmou após participar em Washington do Fórum de Altos Executivos Brasil-EUA.

“É bom se acostumar com juros mais baixos por um bom tempo e com o câmbio mais alto por um bom tempo.”

A reunião de 20 executivos de empresas que atuam nos dois países foi retomada depois do encontro do presidente Jair Bolsonaro com Donald Trump, em março, e tem como objetivo identificar pontos em que os dois países podem facilitar comércio e investimentos.

Segundo ele, diante da redução da taxa básica de juros no país, o câmbio de equilíbrio “tende a ir para um lugar mais alto”. “Quando você tem um fiscal mais forte e um juro mais baixo, o câmbio de equilíbrio também ele é mais alto”, disse.

Sobre a greve de um grupo de petroleiros, Guedes, sugeriu que demitiria os trabalhadores se a estatal fosse uma empresa privada comandada por ele.

“Você tem excelentes salários (na Petrobras), bons benefícios, você tem quase estabilidade de emprego e tenta usar o poder político para tentar extrair aumento de salário no momento em que há desemprego em massa? Se fosse uma empresa privada e eu fosse o presidente de uma empresa privada, eu sei o que eu faria”, afirmou o ministro.

O ministro disse que o governo não estuda a privatização da Petrobras e nem articula demissões dos grevistas, mas que o posicionamento sobre a situação atual dos petroleiros é a sua “reação natural”.

“O que eu sei é que a Petrobras foi destruída e eles (petroleiros) estavam trabalhando lá, deveriam ter evitado a destruição da Petrobras. Tomara que eles estivessem bem alertas nesse tempo todo para merecer o aumento (salarial)”, disse o ministro.

4. Noticiário Político

A Folha de S.Paulo traz análise de notas fiscais da prestação de contas do PSL, mostrando que os gastos de campanha do presidente Jair Bolsonaro ano passado foram suérior às declaradas à Justiça Eleitoral. Além disso, diz o jornal parte foi financiada por dinheiro público, o que ele sempre negou ter usado.

Segundo a reportagem, os documentos mostram que ao menos R$ 420 mil —parte dele, dinheiro público do fundo eleitoral— foram usados para a confecção de 10,8 milhões de santinhos, adesivos, panfletos e outros materiais para a campanha de Bolsonaro.

A Folha informa que Tribunal Superior Eleitoral (TSE) prevê decidir hoje se assinaturas digitais são válidas para criar novos partidos, como a Aliança pelo Brasil, do presidente Jair Bolsonaro.

Mesmo com a liberação pelo TSE, entretanto, entraves técnicos podem dificultar a agilidade da verificação e a viabilidade de coletar os apoios visando as eleições do ao que vem.

No Congresso, os líderes dos partidos na Câmara dos Deputados e no Senado Federal fecharam um acordo para votar hoje, às 14 horas, 11 vetos do presidente Jair Bolsonaro a projetos aprovados pelo Legislativo. Cinco deles trancam a pauta e impedem a análise de outras matérias pelo Congresso.

O acordo prevê a votação nominal de apenas dois destaques em separado, um da Rede e outro do Novo. Com isso, destaques apresentados por PT, DEM, PSL e Podemos seriam retirados, e os demais vetos seriam decididos na cédula de votação, cuja apuração é eletrônica.

Os dois destaques que devem ser votados em separado tratam do veto parcial (35/19) à reforma partidária e eleitoral (Lei 13.877/19). A norma teve 45 dispositivos barrados por Bolsonaro. A Rede defende a manutenção do dispositivo que proíbe o uso de dinheiro do Fundo Eleitoral para o pagamento de multas aplicadas aos partidos pela Justiça Eleitoral. O destaque do Novo trata da propaganda eleitoral.

Conforme o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), o acordo prevê a votação dos vetos na terça-feira e, no dia seguinte, às 10 horas, a análise de 24 projetos de lei que abrem crédito no valor total de R$ 22,8 bilhões para órgãos dos Poderes Executivo e Judiciário, além de estados, Distrito Federal e municípios.

A expectativa dos líderes de três partidos é de que apenas três dos 11 vetos do presidente Jair Bolsonaro sejam confirmados. Os demais seriam derrubados na sessão do Congresso.

5. Noticiário corporativo

No noticiário corporativo, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) autorizou a Petrobras a suspender repasses de verbas à Federação Única dos Petroleiros (FUP) e a sindicatos que tenham descumprido decisão da Justiça que impedia o início de uma greve de cinco dias a partir da última segunda.

O Tribunal determinou ainda o bloqueio cautelar das contas das entidades sindicais no limite de R$ 2 milhões a cada dia de prosseguimento do movimento paredista.

Na Marisa, o Conselho de Administração aprovou oferta primária de 46,9 milhões de ações ordinárias, enquanto fonte ouvida pela Bloomberg apontou que a Braskem Idesa precificou emissão de US$ 900 milhões a 7,5%.

(Agência Estado, Agência Câmara e Bloomberg)

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *