A propaganda do sabão de glicerina fala em uma “experiência” que você vive ao usá-lo. Uma “sensação” especial que sua pele tem e isto sem falar no “frescor e rejuvenescimento” associados.

E assim a vontade é partir para este sabão, indubitavelmente maravilhoso.

Já o sabão de coco é “coisa do passado”! Quem ousaria deixar uma “pedra de sabão de coco” no lavabo de casa?

Mas na vida real, o sabão de coco custa uma fração do de glicerina. O Brasil é um pais pobre quando a comparação é renda per capta. Mas mesmo assim, para a grande parte da população de baixa renda, comprar sabão de glicerina é algo que os coloca num outro status.

Espero que esta postagem sirva para fazermos uma analogia com o setor elétrico brasileiro. O custo da energia entregue é a do sabão de glicerina mas deveria ser o de coco.


Coconut or glycerin soap?

The advertisement for glycerin soap speaks of an “experience” that you have when using it. A special “sensation” that your skin has and not to mention the associated “freshness and rejuvenation”.

And so the desire is to go for this soap, which would undoubtedly be wonderful.

Coconut soap is “a thing of the past”! Who would dare leave a “coconut soap stone” in the bathroom?

But in real life, coconut soap costs a fraction of that of glycerin. Brazil is a poor country when the comparison is per capita income. But even so, for the vast majority of the low-income population, buying glycerin soap is something that puts them – momentarily – in another status.

I hope this post serves to make an analogy with the Brazilian electric sector. But with an aggravating factor: the cost of energy delivered is that of glycerin soap but it should be that of the coconut


 

Compartilhe:
Rafael Herzberg
Rafael Herzberg é consultor independente para assuntos de energia por mais de 30 anos. Premiado no Brasil e Estados Unidos por cases de eficiência energética, geração on-site e projetos to-the-fence. Palestrante no Brasil e Estados Unidos em eventos de energia. Presta consultoria para clientes consumidores de energia (indústria, comércio e instituições), ofertantes de soluções em energia, concessionárias e comercializadores de energia além de ser convidado para atuar em casos de arbitragem de contratos de energia.
http://pontoon-e.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *