As características do leilão de Energia para Roraima, a ser realizado até 31 de maio próximo, configuram um caso exemplar de planejamento energético, no caso, do sistema de energia elétrica.

Isso porque enlaça diversos componentes importantes do cenário de planejamento, num leilão multifacetado e mobilizador dos mais diferentes atores do setor de energia. E traz a oportunidade de revisitar conceitos sistêmicos e refletir sobre o processo dos leilões de energia elétrica, ressaltando aspectos importantes a serem considerados na preparação das ofertas.

Neste nosso primeiro contato, o objetivo é, a partir da publicação da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), ressaltar os diversos componentes que deverão requerer atenção especial dos participantes, assim como os aspectos técnicos, socioambientais, econômicos, tecnológicos e regulatórios relevantes para avaliação mais aprofundada destes componentes.

Estabelecendo assim um conjunto de temas que serão abordados em blogs subsequentes visando construir um roteiro de análise que facilite o planejamento e a execução da preparação de ofertas.

O sistema elétrico objeto do próximo Leilão de Energia Elétrica para integração de Roraima ao SIN (Sistema Interligado Nacional), pode ser considerado como exemplar do planejamento de energia elétrico do país, pois apresenta, em menores escalas, desafios e características típicas do sistema elétrico brasileiro, a saber:

  • Um sistema elétrico interligado convivendo com subsistemas menores e isolados, alimentados localmente até que seu crescimento justifique a expansão da rede elétrica;

  • Suprindo uma área geográfica de grandes dimensões, com significativas diferenças ambientais e sociais, de certa forma refletidas na distribuição do desenvolvimento e do consumo.

Em sua Introdução, o documento da EPE descreve, em linhas gerais, a situação do suprimento de energia elétrica de Roraima, desde 2001 efetuado por combinação  de termelétricas a óleo diesel e energia hidrelétrica importada da Venezuela por meio de sistema de transmissão que conecta a usina Guri à capital Boa Vista. Sistema cuja operação, mais recentemente tem sido largamente prejudicada devido aos frequentes desligamentos do sistema de transmissão proveniente de Guri.

Dentre outras informações importantes, o documento da EPE, também apresenta: o sistema elétrico planejado para interligação ao SIN e  a data prevista para início das obras considerando a necessidade de obtenção de LP (Licença Prévia), assim como informa que a geração termelétrica continuará a complementar as necessidades de energia elétrica até a implantação final do projeto de interligação.

A figura 1, do próprio documento da EPE, permite uma visão geral da LT (Linha de Transmissão) de alta tensão planejada para transporte de energia do Amazonas (AM) para Roraima (RR), conectando as subestações SE Lechuga (AM) às SEs Equador (RR) e Boa Vista (RR).

Nesta figura se sobressai o principal problema para implantação da interligação AM-RR, que é a travessia da Terra Indígena Waimiri Atroari. O documento da EPE apresenta mais detalhes sobre esta LT e sua licitação, que já foi efetuada, mas cujo processo de licença prévia se encontra suspenso atualmente. É um assunto de grande importância que deverá ser abordado num blog específico futuro.

O documento apresenta também informações sobre outro projeto componente do leilão: a UHE Bem Querer, na Bacia do Rio Branco, localizada no município de Caracaí com Potência instalada de 650 MW e a LT que conecta esta usina à capital Boa Vista.

A figura 2 apresenta um mapa do estado de Roraima, indicando a localização desta usina e uma rota hipotética para a LT até Boa Vista.

Outros componentes do leilão são os projetos associando geração distribuída e ações de eficiência energética para alimentação de pequenas cargas em sistemas isolados no estado de Roraima. Projetos que poderão envolver geração solar, eólica e a partir de biomassa. E que constituirão um projeto piloto de Leilão de Eficiência Energética, cujo conceito está em fase de Consulta Pública pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Finalmente, o leilão inclui também aplicação comercial inédita no Brasil de um sistema de armazenamento de energia elétrica em baterias de grande capacidade. Que deverá ser instalado em Boa Vista, visando inicialmente armazenar energia fornecida pela Venezuela e, futuramente contribuir para reduzir o impacto da variabilidade de fontes intermitentes que venham a ser contratadas.

Com base no exposto, pode-se elencar o seguinte conjunto de temas a serem aprofundados nos próximos blogs:

  • A Linha de Transmissão Lechuga (AM) – Equador (RR) – Boa Vista(RR);

  • A UHE Bem Querer e a LT Caracaí – Boa Vista (RR);

  • Os Projetos de GD (Geração Distribuída) associada à Eficiência Energética;

  • O Sistema de Armazenamento de Energia Elétrica;

  • A obtenção da LP (Licença Prévia) para início do projeto;

  • A evolução do sistema elétrico, desde a situação atual até a implantação definitiva dos projetos do leilão.

Um conjunto de temas que certamente permitirá maior esclarecimento e/ou aprofundamento aos leitores, afeitos ou não aos assuntos técnicos do setor de energia elétrica, assim como poderá servir como um roteiro facilitador do planejamento e da execução da preparação de ofertas para o leilão.


 

Compartilhe:
Lineu Belico dos Reis
LINEU BELICO DOS REIS é engenheiro eletricista, doutor em engenharia elétrica e livre docente pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, onde também é professor de Engenharia Elétrica e Engenharia Ambiental. É diretor da empresa de consultoria ALEPH – Serviços e Gestão de Energia. Atua nas áreas de energia, meio ambiente, desenvolvimento sustentável e infraestrutura, como consultor e como coordenador e docente de cursos multidisciplinares de especialização e extensão e educação à distância [USP, Poli/USP, FIA, IEE e outras instituições]. É autor dos livros Geração de Energia Elétrica (1003, 2011, 2017) e Matrizes Energéticas (2011) pela Editora Manole; organizador do livro Energia Elétrica para o desenvolvimento sustentável (2000, 2012) pela Edusp; organizador do livro Energia e Sustentabilidade (2016) e coautor dos livros Energia, recursos naturais e a prática do desenvolvimento sustentável (2005, 2009 e 2012) e Eficiência Energética em Edifícios (2012) da Editora Manole. É tradutor e coautor do livro Energia e Meio Ambiente (2011 e 2014) e consultor técnico da tradução do livro Introdução à Engenharia Ambiental (2011) da Cengage Learning. Consultor do setor energético brasileiro e internacional desde 1968 tem mais de cem artigos técnicos apresentados e publicados em congressos e eventos nacionais e internacionais e participação, em empresas de consultoria e concessionárias do setor elétrico brasileiro, no planejamento, execução e operação de diversos projetos relevantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *