A questão dos vastos campos de painéis solares que restringem outros tipos de uso da terra permanece controversa para a indústria fotovoltaica, mas, como diretor da Associação Federal da Indústria de Nova Energia da Alemanha (bne), Robert Busch disse: A Alemanha não é um país de planícies, mas para fins climáticos e energéticos, o governo federal precisa de muito mais energia renovável”.

O mencionado bne publicou um estudo intitulado “Parques solares – Benefícios para a biodiversidade” (Solarparks – Gewinne für die Biodiversität). Os autores do documento coletaram dados de 75 MW de parques solares em nove estados federais alemães e alegaram que suas descobertas ofereciam uma imagem positiva dos benefícios ambientais que as usinas solares oferecem. “Como regra geral, as áreas dos parques solares mostram maior biodiversidade, as estruturas de habitat permanecem intactas e os parques oferecem um refúgio para diferentes espécies”, disse o autor do estudo, Rolf Peschel.

Abrigos solares

Os cientistas afirmam que a instalação de plantas em terras abandonadas pode até aumentar a biodiversidade. As usinas fotovoltaicas implantadas em espaços abertos podem abrigar comunidades ecológicas específicas. Por exemplo, 25 espécies de gafanhotos foram encontradas em projetos solares em Brandemburgo.

Os parques solares também são particularmente adequados como habitats de verão para anfíbios e répteis, incluindo lagartos e sapos. Várias espécies de aves também foram encontradas nos campos solares.

O co-autor do estudo, Tim Peschel, disse que a localização dos projetos solares não sofre com a super fertilização habitual da terra e que o solo permanece o mais pobre possível em nutrientes. “Nos parques solares, a agricultura pré-industrial é praticamente imitada, o que favorece o assentamento de espécies raras”, disse ele.

Segundo o estudo, quase metade da terra adequada para agricultura na Alemanha – 16,7 milhões de hectares – é usada para esse fim, dos quais 60% vão para ração animal, 22% para culturas alimentares, 14% para culturas relacionadas à energia e 2% para plantas destinadas a usos industriais ou que foram deixadas em pousio ou abandonadas. O uso intensivo da terra que é explorada para a agricultura está causando um declínio drástico nas espécies, de acordo com os autores do relatório.

Em termos de dados, vencer a batalha pela energia solar significa educar as autoridades regionais de conservação, uma opinião compartilhada pelos desenvolvedores de projetos solares, incluindo Baywa re, EnBW e Wattmanufactur, que afirman que obter aprovação das administrações locais depende frequentemente das decisões de um oficial.

Win-win-win

Benedikt Ortmann, da Baywa re, e Thorsten Jörß, da EnBW, querem que os benefícios para a agricultura e a biodiversidade – assim como a redução das emissões de carbono – oferecidos pela energia solar tenham peso.”Para os objetivos da transição energética, precisamos construir muito mais energia fotovoltaica em espaços abertos”, disse Jörß. “Vários milhares de hectares precisam ser cultivados anualmente de uma maneira ecológica”.

Um estudo recente da Universidade Estadual do Oregon, nos Estados Unidos, afirma que a combinação de energia solar com agricultura não oferece apenas uma solução em países com escassez de terras como a Holanda e o Japão, mas também pode melhorar o desempenho de algumas atividades e dos próprios painéis fotovoltaicos.

Cientistas do Centro Comum de Pesquisa da União Europeia compilaram recentemente um conjunto abrangente de dados sobre o potencial da energia solar dos 28 Estados-Membros. Esses dados mostraram que mesmo um aumento de 100 vezes na capacidade atual de geração solar exigiria uma quantidade muito limitada de terra, muito menos que a energia eólica.


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *