O desafio do tango

Argentina passa por um momento delicado em 2018, no ano a bolsa de valores (Merval) cai 10% em moeda local e 44% em Dólar.

A inflação (31%) nas alturas e a necessidade de financiamento força o BC Argentino a manter elevadas as taxas de Juros (45%). Pesam contra a situação fiscal bastante delicada com déficit fiscal (-2.5%) e deficit de conta corrente (-5%), e deixam o país mais frágil em uma crise de Emergentes.

Argentina precisa refinanciar hoje aproximadamente USD 25 bilhões para 2019, isso assumindo USD15 bilhões de renovação de curto prazo dos Titulos denominados LETES. A Turquia por não ter feito as reformas necessárias e por ter feito uma indicação no mínimo “suspeita” para comandar o Banco Central viu sua moeda depreciar fortemente (-58%) e trouxe pressão adicional nas moedas emergentes.  Porém, com o apoio recente de USD 50 bilhões do FMI, a Argentina tem fôlego para os próximos 3 anos.

Além disso, Argentina foi reclassificada como mercado Emergente e deve entrar no índice MSCI (Morgan Stanley Capital International) em Junho 2019. A inclusão vem após o Governo Macri trabalhar fortemente em propostas como Lei de mercados de capital, reforma tributária, eliminação do “cepo” cambiário, pagamento aos holdouts e outros.

Nesse cenário de suporte do FMI, reclassificação de MSCI, reformas, baixo risco de retorno do Kichinerismo (fortemente golpeado com recentes escândalos de corrupção) e poucos vencimentos significativos de dívida em hard currency nos próximos anos, nosso Fundo começa a ver boas oportunidades de investimentos nesse país.

Os Bonds quase-sovereign da Província de Buenos Aires (1/3 do PIB da Argentina) mais líquidos perderam valor caindo de 117.0  para 87.0  e consequentemente as taxas de retornos começam a chamar a atenção batendo níveis de 12%.

Estamos sempre olhando as oportunidades na região e buscando as melhores relações Risco & Retono entre ativos e os 6 paises na qual estamos investidos ( Brasil, Argentina,Chile,Peru,Colômbia e México).

O fundo atua nessa região há mais de 4 anos e essa diversificação de países trás um importante componente de diversificação para investidores começarem a olhar for a do Brasil porém com patrimônio em reais.

A Exploritas é uma gestora Independente que atua na America Latina desde 2014. Foco em Renda Fixa e Variavel.

Nosso contato: www.exploritas.com.br

 


 

Compartilhe:
Daniel Delabio
Daniel Delabio, administrador pela FGV, começou a trabalhar na Explorador em 2005 como Trader e Analista. Em 2008 ele foi trabalhar para o Dimaio Ahmad Capital LLC, um hedge fund americano onde ele era responsável pela gestão do book de ações para mercados emergentes. Portofolio manger na Planner, antes de voltar para o Explorador Capital no início de 2010 como Portfolio Manager. Exploritas, fundada em 2012, foco em Renda fixa e renda Variavél, no Brasil e na America Latina. Sócios atuando no mercado financeiro desde 1998 e na America Latina desde 2005. Partnership trazendo alinhamento dos sócios. Cultura de sociedade, mandato flexivel. Produto unico através do Exploritas Alpha America Latina, invicio em Maio 2014.
http://www.exploritas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *