A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou hoje (16/10), durante reunião pública, o reajuste tarifário da Companhia Piratininga Força e luz (CPFL Piratininga). A empresa atende 1,7 milhão de unidades consumidoras localizadas em 26 munícipios de São Paulo. O reajuste entrará em vigor a partir de 23/10.

Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço. No caso da CPFL Piratininga, os itens que mais contribuíram para o reajuste os itens que mais impactaram a revisão foram os custos de aquisição de energia, componentes financeiros como risco hidrológico e encargos setoriais.

Confira abaixo os índices que serão aplicados às contas de luz dos consumidores:

O efeito médio da alta tensão refere-se às classes A1 (>= 230 kV), A2 (de 88 a 138 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (Residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (Rural: subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública).

Mais informações sobre reajustes tarifários podem ser consultadas no endereço eletrônico www.aneel.gov.br, no link entendendo a tarifa.


Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.