O ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, disse hoje que o modelo centralizado do setor energético brasileiro não beneficia o consumidor. Segundo ele é preciso diversificar as fontes de energia “e aproveitar essa imensidão para buscar energia mais barata”.

Pexels / Pixabay

Moreira Franco visitou nesta quarta-feira, 28/11, a Usina Fotovoltaica Flutuante, da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), em Sobradinho (BA). A unidade avalia a eficiência da tecnologia fotovoltaica resfriada naturalmente pela água, tendo em vista que as placas perdem eficiência sob forte calor.

Também serão avaliados os impactos da usina flutuante no meio ambiente e nas atividades de pesca e navegação no lago da represa.

“Nós estamos aqui buscando abrir os hábitos, a cultura, a mentalidade do setor elétrico brasileiro. Não dá para se repetir os mesmos métodos, ter os mesmos modelos que têm gerado uma das energias mais caras do mundo.  O consumidor brasileiro precisa pagar menos”, asseverou a jornalistas que acompanharam a visita.

Confira abaixo a íntegra da entrevista:

O que esse projeto representa para a energia solar no Brasil?

Temos a necessidade de aumentar drasticamente a produção de energia. Na realidade, se nós não tivéssemos tido a maior crise econômica da nossa história, nós teríamos tido o maior apagão da nossa história. E a expectativa é que nós possamos crescer daqui pra frente, e trabalhar muito pra crescer 2,5% ao ano. Se crescermos por três meses a essa taxa nós vamos ter dificuldade por falta de energia.

Então, é necessário que se faça muita pesquisa e desenvolvimento, muitas experiências como essa que temos aqui.

Temos que diversificar nossas fontes, buscar energia solar, eólica e hídrica, testando todas elas. Usar termelétricas com gás, biocombustível. E aproveitar essa imensidão para buscar energia mais barata.

Nós temos aqui, no Nordeste, por exemplo, que criar um modelo que permita que o sol e o vento, que são fontes de energia mais barata, beneficiem os consumidores. O nosso modelo atual, que é centralizado, não beneficia.

Essa experiência da Usina Flutuante Fotovoltaica, no lago de Sobradinho, é útil não só para testar a capacidade desta fonte, mas também para melhorar, criar uma cultura de inovação, não só naqueles que estão produzindo energia, mas naqueles que produzem equipamentos para o desenvolvimento dessa fonte no Brasil. E para que, o mais rápido possível, nós possamos criar a base, a infraestrutura para aumentar a nossa produção de energia.

Fonte: Assessoria de comunicação ASCOM/MME

Moreira Franco é o novo ministro de Minas e Energia

Moreira Franco é o novo ministro de Minas e Energia. Na posse, o novo ministro destacou a importância de se ter uma regulação que coloque o setor no século 21.

Fonte: TV NBR


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *