O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) avaliou nesta quarta-feira, 7/8, as condições de suprimento de energia elétrica no País e concluiu que, em termos de armazenamentos dos reservatórios equivalentes das usinas hidrelétricas, a situação hoje é melhor do que em 2018, o que tem garantido maior conforto durante o período tipicamente seco.

Em relação ao evento Copa América de Futebol no Brasil, realizado entre 14 de junho e 7 de julho, foi destacado que as medidas adicionais de segurança para fornecimento de energia às cidades-sede do evento no período da realização dos jogos foram bem-sucedidas.

Além disso, foi apresentado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) os resultados do Plano da Operação Energética (PEN) para o período de 2019 a 2023, tendo sido ressaltado que o equilíbrio estrutural de oferta e demanda está assegurado. Além disso, foi informado que os riscos de déficit estão abaixo de 5% em todo o horizonte, atendendo ao critério de suprimento definido pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Informações Técnicas:

Condições Hidrometeorológicas: no mês de julho, a precipitação ficou acima da média histórica apenas nas bacias dos rios Jacuí e Tietê devido ao avanço de frentes frias pelas regiões Sul e Sudeste. As demais bacias hidrográficas de interesse do SIN permaneceram com anomalia negativa de precipitação. Em relação à Energia Natural Afluente – ENA bruta, foram verificados valores abaixo da média histórica nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Nos próximos 7 dias, o avanço de duas frentes frias pela região Sul ocasionará chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí e Uruguai e em pontos isolados do Iguaçu.

Energia Armazenada: no mês de julho, foram verificados armazenamentos equivalentes de 44,8%, 75,8%, 52,6% e 71,7% nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte, respectivamente, e a previsão para o final do mês de agosto nesses subsistemas é de 39,3%, 60,1%, 47,6% e 62,9%, respectivamente.

Expansão da Geração e Transmissão: em julho, não houve expansão da capacidade instalada de geração de energia elétrica nem a implantação de novas linhas de transmissão. Em relação à capacidade de transformação, houve acréscimo de 450 MVA. Assim, a expansão do sistema, até julho, totalizou 3.351 MW de capacidade instalada de geração, 2.231 km de linhas de transmissão e 9.696 MVA de capacidade de transformação.

2ª Revisão Quadrimestral da Carga: a Empresa de Pesquisa Energética – EPE apresentou os resultados da segunda revisão quadrimestral de carga, realizada em julho de 2019. Destacou que a expectativa de crescimento do consumo total de eletricidade é da ordem de 3,0% médios ao ano para o período de 2019 a 2023. Informou que em relação à expansão da indústria, as perspectivas são positivas, pois já se observa redução da ociosidade em setores grandes consumidores (siderurgia, ferro-ligas, cimento, papel, alumínio), perspectiva de crescimento da construção civil a partir de 2020, o que não ocorre desde 2013, novas concessões em infraestrutura, ampliação de cerca de 1,4 milhão de novos consumidores residenciais por ano, além do crescimento do consumo médio residencial no período.

O CMSE, na sua competência legal, continuará monitorando, de forma permanente, as condições de abastecimento e o atendimento ao mercado de energia elétrica do País. As definições finais sobre a reunião do CMSE de hoje serão consolidadas em ata devidamente aprovada por todos os participantes do colegiado e divulgada conforme o regimento.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *