Empresas têm planos para crescer, têm situação financeira mais sólida

As fábricas brasileiras ampliarão a capacidade instalada com mais vigor antes do fim do 1º trimestre do ano, afirmou Marcelo Azevedo, 43, economista da CNI(Confederação Nacional da Indústria).

Azevedo concedeu entrevista ao Poder360, em 13 de fevereiro de 2020. Assista à íntegra:

Não irá demorar. Já se percebe em alguns setores mais ligados ao mercado doméstico e também na construção de edifícios”, disse Azevedo. Assista à entrevista completa aqui.

Abaixo, trechos da entrevista:

PIB – “Acreditamos em crescimento de 2,5% no ano. A recuperação da atividade pode ter começado mais lenta do que esperávamos, mas virá. Começará pela indústria e chegará ao mercado de trabalho”;

Riscos – “Houve uma desaceleração em novembro e dezembro. E agora temos o coronavírus que pode ter 1 efeito mais duradouro. Essas coisas foram se somando. Mas ainda é cedo para descartarmos o crescimento de 2,5%. A despeito do freio, a gente acredita que isso ainda não se perdeu. A indústria não recuperou o ritmo de outubro, mas a demanda continuou crescendo, o que é 1 excelente sinal”;

Padrão de consumo – “Houve uma mudança com a Black Friday, uma antecipação. Alguns produtos não vendem tanto no fim do ano como no passado. Isso foi uma das razões do freio no fim de 2019: para que a indústria terminasse o ano com os estoques ajustados, houve queda na produção. A demanda, que vinha se recuperando, deu uma freada e a inadimplência aumentou 1 pouco”;

Inadimplência – “É uma preocupação por conta do passado recente. Uma das razões da queda na demanda [na recessão] foi a grande alta na inadimplência, não só dos consumidores, mas também das empresas com a crise. Isso afetou muito as decisões de investimento e de emprego do lado da indústria e, das pessoas, do consumo. Qualquer aumento da inadimplência agora acende o sinal de cautela. Mas a boa notícia é que percebemos melhora da situação financeira das empresas”;

Ociosidade – “A utilização da capacidade instalada foi crescendo ao longo do ano passado e encerrou acima do que foi registrado em 2018. É 1 excelente sinal. Os investimentos estão cada vez mais próximos. Uma coisa é religar a máquina parada para atender demanda crescente. Outra é comprar máquina nova, porque aí aumenta o emprego. Acreditamos que esse momento está cada vez mais perto”;

Investimentos – “A maior parte dos investimentos é de recursos próprios, o que é favorecido pela melhora da situação financeira das empresas. Nossas pesquisas indicam maior intenção de investimento nas empresas industriais. O planejamento está espraiado em vários setores. Não só em inovação e manutenção, mas também em expansão da capacidade de produção. A intenção de investimento está em 1 dos maiores níveis desde 2013, quando começou a ser feita a pesquisa. 

Financiamento – “O governo deveria facilitar o financiamento de investimentos. Há carência de linhas adequadas e os custos são elevados. Resolver isso não parece ser algo que teria custo fiscal. É questão de comunicação e de maior concorrência [entre bancos].”

Imagem: Marcelo Azevedo, economista da CNI. Concedeu entrevista ao Poder360.

 


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *