O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje (11) uma nova estimativa de safra de cereais, leguminosas e oleaginosas para 2018. De acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) realizado em setembro (link), a produção deste ano deve ser 6% inferior à do ano passado.

Com isso, espera-se que o ano feche com uma safra de 226,2 milhões de toneladas desses produtos. A estimativa é um pouco melhor do que a divulgada em agosto, que previa uma queda de 6,2% em relação ao ano passado.

Fonte: IBGE, Apresentação LSPA setembro/2018 (link).

Entre as três principais lavouras (que responderão por 92,8% da produção de grãos), apenas a soja deverá fechar o ano com alta (2%). São esperadas quedas de 18,6% para o milho e de 5,7% para o arroz.

Fonte: IBGE, Apresentação LSPA setembro/2018 (link).

Apesar do atraso das chuvas na época do plantio, o clima se comportou bem na maioria dos estados, a exceção foi a Região Sul onde a falta de chuvas promoveu a redução da produção em relação ao ano anterior em 4,5%. A produção de soja é recorde da série histórica do IBGE. No total, o País colheu 117,3 milhões de toneladas, aumento de 2,0% em relação ao ano anterior. Os preços da soja encontram-se firmes no mercado internacional, em face da crescente demanda chinesa. Além disso, a desvalorização da moeda brasileira frente ao Dólar aumentou a competitividade da soja brasileira, em relação aos demais produtores.

A produção brasileira se beneficia da grande extensão da área plantada, o que permite mitigar o impacto causado por problemas climáticos em regiões específicas.

Fonte: IBGE, Apresentação LSPA setembro/2018 (link).

Os problemas climáticos também acometeram a Argentina, sendo sua safra de soja significativamente reduzida na atual temporada. Nas Regiões Centro-Oeste e Sudeste e no “MATOPIBA” (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), a ocorrência de chuvas abundantes e bem distribuídas proporcionaram um desenvolvimento favorável das lavouras, possibilitando aos estados a colheita de uma safra substancial da leguminosa. Em alguns municípios produtores, porém de forma mais localizada, houve até excesso de chuvas durante a colheita, o que prejudicou a qualidade do produto.

 

Fonte: IBGE, Apresentação LSPA setembro/2018 (link).

Entre os outros principais produtos, são estimadas altas de 25,1% para o algodão herbáceo de caroço e de 37,9% para o trigo. São esperadas, no entanto, quedas de 3,2% para o feijão e de 2,2% para o sorgo.

Outros produtos

Além de cereais, leguminosas e oleaginosas, o IBGE também apresenta estimativas para produtos importantes, como a cana-de-açúcar, maior lavoura agrícola do país. A cana deve encerrar o ano com queda de 2,2%. Já o café deve ter alta de 24%.

Outros produtos devem ter as seguintes quedas: banana (-6,2%), batata-inglesa (-8,5%), laranja (-8,4%), mandioca (-3,3%) e tomate (-3%).

Fonte: Agência Brasil (link), IBGE (LSPA setembro/2018, links: anúncio, documento, apresentação).

 

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *