A Amazon e General Motors estão negociando investimentos na Rivian Automotive, um acordo de cerca de US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões, para investir na fabricante americana de pickups está em andamento.

Se bem sucedido um acordo pode ser anunciado já neste mês, disseram as fontes, pedindo para não serem identificadas porque o assunto é confidencial. Segundo revelaram, um acordo daria à Amazon e à GM participações minoritárias no Rivian. Seria um grande impulso para a startup com sede em Plymouth, Michigan, que aspira a ser a primeira montadora do mercado consumidor dos EUA com uma picape elétrica.

“Nós admiramos a contribuição de Rivian para um futuro de zero emissões e um futuro totalmente elétrico”, disse a GM em comunicado enviado por e-mail, recusando-se a comentar especificamente qualquer conversa com Rivian. As empresas se recusaram a comentar.

A empresa fundada em 2009 pelo CEO R.J. Scaringe, pretende começar a vender seu R1T, a picape que estreou em novembro, no outono de 2020.

Plataforma completa

Scaringe descreveu a plataforma do veículo Rivian como um “skate” que empacota as unidades de acionamento, bateria, sistema de suspensão, freios e sistema de arrefecimento abaixo da altura da roda para permitir mais espaço de armazenamento e maior estabilidade devido a um centro de gravidade mais baixo.

Ele também disse que a empresa planeja fazer parcerias com empresas externas para desenvolver tecnologia avançada de “self-driving”, uma vez que não pretendem tartar como um desenvolvimento interno.

Grandes montadoras, incluindo a GM, não entraram no mercado de pickups elétricas até agora. A GM está contando com o lucro das vendas de grandes caminhonetes convencionais e utilitários esportivos na América do Norte para financiar seu impulso de eletrificação.

A Amazon também investiu na startup de automóveis autônomos Aurora Innovation Inc, em uma rodada de financiamento de US $ 530 milhões anunciada na semana passada. A maior varejista on-line do mundo aumentou sua pegada logística, construiu armazéns ao redor do mundo e assinou acordos com a Mercedes, bem como companhias aéreas de carga para ajudar na entrega.

A  GM já havia comunicado anteriormente, que estaria duplicando os recursos destinados ao desenvolvimento de veículos elétricos e autônomos, como parte de uma reestruturação significativa que incluiu o fim da produção em cinco fábricas norte-americanas. A empresa já havia anunciado no mês passado, sua estratégia para tornar seu luxo Cadillac sua principal marca de veículos elétricos, revelando que seria o primeiro veículo construído na plataforma “BEV3” da montadora de Detroit. A GM afirmou que um dos primeiros modelos totalmente elétricos da Cadillac usando a nova plataforma chegaria ao mercado por volta de 2022.

Fontes: GM/Press e Reuters/Harry Brumpton e Stephen Nellis


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *