Dez equipes de quatro pessoas participaram de sexta até domingo do Summer Hack ENGIE Florianópolis, o primeiro hackathon (maratona) promovido pela empresa, cujo desafio foi “Como tornar o processo de compra de energia rápido e fácil para os clientes empresariais”. A equipe vencedora foi a “Go To ML” que apresentou a solução voltada para o Mercado Livre de Energia e levou como prêmio R$ 5 mil. “ENGIE Score” e “Time 10” ficaram em segundo (R$ 3 mil) e terceiro lugares (R$ 2 mil), respectivamente.

“Nosso objetivo com este evento foi incentivar novos talentos na busca de soluções criativas para a área”, afirmou o diretor de Novos Negócios, Estratégia e Inovação da ENGIE, Guilherme Ferrari. “O cliente trabalhado no Summer Hack foi do grupo empresarial com consumo de até 1 MW que, segundo pesquisa realizada pela ENGIE, quer gastar menos com a conta de energia, mas tem pouco conhecimento sobre o mercado livre de energia elétrica”, comentou Gabriel Mann, diretor de Comercialização da ENGIE.

Entre esses consumidores estão os médios e pequenos shopping centers e outros comércios, além dos setores ceramistas e moveleiros. “Desenvolvemos uma solução concentrando as solicitações do Mercado Livre para serem atendidas em um prazo menor, e também para ajudar a fidelizar os clientes livres da ENGIE”, contou Leonam Moreira, um dos membros do “Go To ML”.

Depois de 40 horas mergulhados no desafio, cada equipe teve dez minutos para apresentar seus projetos e responderem as dúvidas da comissão julgadora. Leonam Moreira explicou que foi a primeira vez que a equipe enfrentou um desafio empresarial voltado para o mercado de energia. “Esse Summer Hack foi muito diferente de outros eventos que participamos, pois as validações e a metodologia são muito distintas”. Moreira também relatou que como o desafio era desconhecido até o início do evento, tornou-se um momento de aprendizado para todos. “Tivemos de conhecer um mercado que não era de nossa atuação, enfrentando um conjunto de surpresas que se acumularam ao longo do desafio”, disse. “Utilizamos a metodologia correta e conseguimos chegar ao resultado final com sucesso”, comemorou ele ao lado dos parceiros.

Para Alexandre Zucarato, gerente de Estratégia e Inovação da ENGIE, a qualidade das ideias e protótipos de soluções digitais desenvolvidos superou as expectativas da empresa, assim como o alto engajamento da comunidade de tecnologia  e inovação com a equipe da ENGIE. “Essa experiência nos trouxe inspiração para promover outras iniciativas neste setor, que devem começar a ser planejadas em breve”, adiantou.

O gerente de Inteligência de Mercado e Marketing.e um dos cinco membros da comissão julgadora, Maury Garrett, afirmou que o Summer Hack foi excelente para aproximar ainda mais a ENGIE deste ambiente de inovação e tecnologia. Pela primeira vez em um hackathon, Larissa Alves, 21 anos, estudante de administração na ESAG, em Florianópolis, buscou no evento networking – troca de informações e conhecimentos – e também ampliar o aprendizado na área de energia. Assim como Larissa, quase todos os participantes eram de Santa Catarina, alguns deles vieram do Rio Grande do Sul, Paraná e Pernambuco.

Sobre a equipe vencedora “Go To ML”

Rodrigo Castro, 41 anos, de Novo Hamburgo, RS, formado em Eletrônica e Administração de Empresas. Leonam Moreira, 25 anos, natural e residente de Florianópolis, graduado em Desing, MBA em gestão de projetos, graduando em Engenharia de Produção, atua na área de marketing e gestão de relacionamento. Leander Seefeld, 24 anos, natural de Blumenau e atualmente morando em Floripa, graduado em Ciência da Computação pela FURB. Igor Sandrini, 26 anos, de Tubarão e trabalha na área do design há dois anos.


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *