Para que o país volte a ter equilíbrio e almeje crescer de forma sustentável, há que se reduzir os benefícios previdenciários e o orçamento do Estado. Diferente disso, caminhamos para a disrupção social.

Os candidatos à presidência, que tem chances realistas de chegar ao 2° turno, não mostram como farão o corte na previdência e muito menos a diminuição do Estado. Lógico, uma vez que se trata de temas impopulares.

O presidente eleito terá que lidar com a base de deputados e senadores, que são os reais “donos do país” e cujos interesses se alinham com a histórica manutenção do status quo, tanto em relação á previdência, quanto ao tamanho do estado..

Neste cenário não há candidato de situação ou de oposição. Há apenas gente que se aproveitará da posição que ocupará, mais nada.

Anularei o meu voto.

Considero que neste ambiente estabelecido, votar em algum candidato é aquiescer com um sistema perverso, nocivo ao país e que não tem chances de dar a virada que o Brasil precisa para aumentar o PIB per capita.

Votar em algum candidato, equivaleria a validar a ditadura em que estamos de fato imersos, logicamente disfarçada com a minuciosa formalidade de democracia.


Brazilian elections: my protest vote

In order for the country to regain balance and aim to grow in a sustainable manner, social security benefits and the size of the State (budget) must be severely reduced. Other than that, we are headed for hyper-inflation and social disruption.

The presidential candidates, who have realistic chances of reaching the second round, do not show how they would cut the social security, much less the State’s budget. Of course, these are unpopular topics.

The president-elect must have to deal with the base of deputies and senators, who are the real “owners” of the country and whose interests are aligned with the maintenance of the status quo.

I will void my vote.

In this established environment, to vote for a candidate is to acquiesce with a perverse system, harmful to the country and that has no chance of turning around the situation and help Brazil increase its GDP again.

To vote in a candidate means to validate a dictatorship – in which we are actually immersed – but very well disguised with the country’s meticulous formalities of democracy.


 

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *