Preços das fontes de energia paritárias com a concorrência é o que se deveria nortear a ação dos nossos três poderes. Deveria!

Afinal, qual a necessidade de pagar toda a infraestrutura oficial de recursos humanos e materiais relativas ao setor energético se não fosse para estarmos no pelotão da frente?

Apresento minha sugestão: eliminar toda a nomenklatura do setor. Pelo simples fato de que somos o mais caro entre os BRICS na energia. Há anos.

Seria mais do que oportuno fazer uma experiência nova: fechar os órgãos que mantém o Brasil na rabeira do mercado mundial. Para que precisamos deles?


Energy: what do we want?

Competitive energy sources is what should guide the action of our three powers (Executive, Legislative and Judiciary).

After all, why pay for all the official infrastructure of human and material resources related to the energy sector?

In times of systemic budget imbalance in Brazil, my suggestion is to eliminate the whole nomenklatura of the sector. For the simple fact that we are the most expensive among the BRICS in energy.

It would be more than opportune to make a new experience: by eliminating the organs that keep Brazil as a laggard in the energy prices arena. We don’t need them!


 

Compartilhe:
Rafael Herzberg
Rafael Herzberg é consultor independente para assuntos de energia por mais de 30 anos. Premiado no Brasil e Estados Unidos por cases de eficiência energética, geração on-site e projetos to-the-fence. Palestrante no Brasil e Estados Unidos em eventos de energia. Presta consultoria para clientes consumidores de energia (indústria, comércio e instituições), ofertantes de soluções em energia, concessionárias e comercializadores de energia além de ser convidado para atuar em casos de arbitragem de contratos de energia.
http://pontoon-e.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *