Há uma percepção formada em nosso país de que o tempo consolida situações – mesmo que absurdas e envolvendo bilhões de reais todos os anos.

Embora o Brasil seja abençoado pela natureza e possua abundância das fontes de energia mais competitivas do mundo o fato é que o valor pago pelo MWh é o mais caro entre os BRICS (Brasil, Russia, India, China e África do Sul) – nossos concorrentes diretos.

Entra governo, sai governo. Mas, permanece uma realidade de preços e tarifas de energia com a qual supostamente não há solução.

É como se a perversão estabelecida fosse um direito adquirido. O principal problema é que esta dura realidade não está no radar dos três poderes constituídos. Então como esperar uma tão necessária mudança?


Brazil: Energy and “acquired rights”

There is a perception formed in our country that time consolidates situations – even if absurd and involving billions of Dollars every year.

Although Brazil is blessed by nature and has abundance of the most competitive energy sources in the world, the fact is that the value paid for a MWh is the most expensive among BRICS (Brazil, Russia, India, China and South Africa) – our direct competitors as emerging countries.

Governments come, governments go… but there remains a reality: high energy costs and tariffs. It is as if the established perversion were an “acquired right”.

The main problem is that this harsh reality is not on the radar of the three constituted powers (legislative, executive and judiciary). So how do you expect a much-needed change?


 

Compartilhe:
Rafael Herzberg
Rafael Herzberg é consultor independente para assuntos de energia por mais de 30 anos. Premiado no Brasil e Estados Unidos por cases de eficiência energética, geração on-site e projetos to-the-fence. Palestrante no Brasil e Estados Unidos em eventos de energia. Presta consultoria para clientes consumidores de energia (indústria, comércio e instituições), ofertantes de soluções em energia, concessionárias e comercializadores de energia além de ser convidado para atuar em casos de arbitragem de contratos de energia.
http://pontoon-e.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *