Lucros foram de € 521 milhões e € 385 milhões de EBITDA (incremento de 1% ano sobre ano)

Sua carteira de ativos em operação, nos 11 países em que está presente, contabiliza atualmente 11,7 GW, acréscimo de 703 MW à capacidade instalada no ano

A empresa atingiu níveis de produção de energia limpa de 8,4 Twh, evitando a emissão de 5,9 mt de CO2

A EDP Renováveis , líder mundial no setor de energias renováveis, e uma das maiores produtoras de energia eólica do mundo, anunciou hoje, 8/5, em Madrid que os lucros do 1.º trimestre de 2019 atingiram os € 521 milhões (-1% ano sobre ano), resultado da diminuição dos recursos eólicos, face a recursos eólicos fora de série no 1.º trimestre de 2018 e à descontinuidade esperada nos PTCs de 10 anos, ambos com efeitos a serem mitigados pela maior capacidade operacional, por um preço de venda médio superior e pela taxa de câmbio positiva.

Os outros lucros operacionais atingiram a cifra de os € 25 milhões (+€ 13 milhões ano sobre ano), com uma evolução anual que refletiu essencialmente os ganhos adicionais (+€ 10 milhões) da venda da participação de 80%, em 18 de dezembro, de uma carteira de 499 MW na América do Norte, que se materializou no 1.º trimestre de 2019.

O EBITDA reportado no 1.º trimestre de 2019 totalizou € 385 milhões (+1% ano sobre ano) e o EBIT atingiu os € 233 milhões (vs € 252 milhões no 1.º trimestre de 2018). As despesas financeiras líquidos aumentaram € 96 milhões (vs € 53 milhões no 1.º trimestre de 2018) com a comparação anual, afetada pelos ganhos de € 15 milhões contabilizados no 1.º trimestre de 2018 da alienação de uma participação num projeto offshore no Reino Unido e por € 7 milhões do tratamento de novas locações ao abrigo do IFRS16 no 1.º trimestre de 2019, juntamente com uma dívida média superior e a respectiva taxa de juro no mix de diferentes moedas. No período em análise, os interesses não controlados ficaram em € 40 milhões, diminuindo € 23 milhões ano sobre ano resultando de uma ótima performance operacional dos parques eólicos. Já os lucros líquidos totalizaram € 61 milhões (vs € 94 milhões no 1.º trimestre de 2018).

No 1.º trimestre de 2019, a dívida líquida totalizou € 3 615 milhões (+€ 556 milhões em comparação a dezembro de 2018), refletindo, por um lado, os ingressos gerados pelos ativos e, por outro, os investimentos nesse período e a conversão em moeda estrangeira. As despesas com parcerias institucionais atingiram os € 1 267 milhões (sem alteração ano sobre ano), com os benefícios captados pelos projetos e parceiros de «tax equity» a serem compensados pela conversão da moeda estrangeira (-$ 30 milhões em moeda local em comparação com dezembro de 2018).

João Manso Neto, CEO da EDPR afirmou: “O nosso EBITDA permaneceu sólido, apesar do desempenho da empresa no 1.º trimestre ter sido afetado ano sobre ano, devido à comparação entre recursos eólicos do 1.º trimestre de 2018 significativamente superiores, com recursos eólicos especialmente inferiores no 1.º trimestre de 2019, juntamente com a saída dos PTCs. Em termos operacionais, a empresa tem cumprido seus objetivos de crescimento e superado consideravelmente as suas metas. A EDPR já tem mais de 40% dos 7,0 GW de capacidade pretendida para 2019-22, o que inclui tecnologia onshore, offshore e solar bem como geodiversificação“.

Resultados operacionais

Em 31 de março de 2019, a EDPR geria uma carteira global de 11,7 GW divididos em 11 países diferentes, dos quais 11,3 GW estavam totalmente consolidados e 371 MW eram equivalência patrimonial (participações no capital na Espanha e nos EUA). Nos últimos 12 meses, a carteira da EDPR aumentou 703 MW: 318 MW na América do Norte, 249 MW na Europa e 137 MW no Brasil. No 1.º trimestre de 2019, a EDPR construiu 62 MW, todos na Europa sendo 47 MW em Portugal e 15 MW na França. Além disso, iniciou o desmantelamento e reabilitação de um parque eólico de 24 MW no norte de Espanha, resultando em +38 MW do começo do ano até o momento. Em março de 2019, a EDPR tinha 684 MW de nova capacidade em construção.

A produção de eletricidade atingiu os 8,4 TWh de eletricidade limpa (-4%ano sobre ano), evitando a emissão de 5,9 milhões de toneladas de CO2. A evolução do ano a ano foi afetada por recursos eólicos abaixo da média a longo prazo (34% vs 38% no 1.º trimestre de 2018; 93% no 1.º trimestre de 2019 de média vs. 105% no 1.º trimestre de 2018) parcialmente compensado com os aumentos de capacidade nos últimos 12 meses (+663 EBITDA MW ano sobre ano).

O preço médio de venda aumentou 3% ano sobre ano, impulsionado pela recuperação de preços na Europa ocidental, por preços mais altos obtidos nos EUA e pela taxa de câmbio.

Sobre a EDP Renováveis Brasil

A companhia é, atualmente, um dos principais operadores do mercado brasileiro. A empresa iniciou suas atividades no Brasil em 2009. Possui 467 MW de capacidade instalada em seus parques eólicos localizados nas regiões Nordeste e Sul do País, no Estado de Santa Catarina.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *