CANALENERGIA | A CPFL Renováveis rescindiu, antecipadamente, o contrato de operação e manutenção de 182 turbinas eólicas celebrado com a Siemens-Gamesa, segundo ata de reunião divulgada pela companhia na Comissão de Valores Mobiliários (CMV) na última sexta-feira, 1º de novembro.

Pexels / Pixabay

O contrato de O&M foi celebrado originalmente com a indiana Suzlon, que deixou o Brasil em 2017. No mesmo ano, a Siemens-Gamesa assumiu a prestação do serviço.

Em março deste ano, o diretor de O&M da CPFL Renováveis, Adriano Vignoli, disse à Agência CanalEnergia que a maior geradora de energia eólica do país tinha planos para assumir a operação de alguns parques em 2020.

Há três anos a empresa estuda alternativas de gestão do negócio de O&M, justamente por ser o maior custo de um parque eólico.

Em média, disse Vignoli na época, o custo médio de O&M de uma turbina é de US$ 50 mil por ano. Esse custo tente a aumentar com o passar dos anos, assim como acontece com um automóvel.

Alguns parques da CPFL Renováveis completam 10 anos de operação em 2019. Segundo o executivo, a CPFL investiu em tecnologia, treinamento, contratou equipes com conhecimento específico e montou um centro de operação capaz de monitorar os parques eólicos.

A CPFL possui 1,3 GW em usinas eólicas em operação. No Ceará, a empresa opera 12 usinas eólicas, somando 427 MW de capacidade instalada.

Por Wagner Freire

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *