Contradições do setor elétrico

Temos uma economia predominantemente de “baixo valor agregado” se a comparação for com o mundo desenvolvido.

Nosso PIB é composto primordialmente de produtos primários (como produtos agrícolas e minerais) e a industria de transformação prevalente é a que entrega itens de baixa tecnologia.

Neste contexto o custo da energia é um item importante pois nossos produtos são eletro intensivos (como alumínio por exemplo) ou pelo menos carregam bastante MWh por tonelada entregue.

Trata-se do nosso “arcabouço regulatório”. Temos um sistema pesado, detalhista, populista, subsidiado e cujo resultado coloca o país atrás dos nossos concorrentes mesmo que as fontes predominantes sejam das mais competitivas globalmente falando.

Duas condicionantes nos mantem nesta inconfortável situação: falta de uma estratégia consistente para o setor elétrico e uma péssima gestão das empresas e instituições controladas pelo estado brasileiro.

 


 

Contradictions of the Brazilian electric sector

We have a predominantly “low value-added” economy if the comparison is with the developed world.

Our GDP is mostly composed of primary products (such as agricultural products and minerals) and the prevailing manufacturing industry delivers low-tech items.

In this context the cost of energy is an important item because our products are electro-intensive (like aluminum for example) or at least carry a substantial MWh per ton delivered.

When it comes to the regulatory framework, we have a heavy, detailed, populist, subsidized system and the result puts the country behind our competitors even though the predominant power sources are the most globally competitive.

Two constraints keep us in this uncomfortable situation: lack of a consistent strategy for the electric sector and a bad management of companies and institutions controlled by the Brazilian state.


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *