Há muitos anos o Brasil não constrói novas usinas hidrelétricas com reservatórios.

A preferência tem sido por usinas “fio d’água”.

Resulta na necessidade de despachar usinas térmicas, muito mais caras já que o regime de chuvas pode variar, e bastante, de ano a ano.

Ocorre que este é o padrão!

A diferença entre aqueles que obtém preços competitivos de energia e todos os demais, é a estratégia de contratação para mitigar este risco.

A sua empresa ou instituição aborda este tema?

Se desejar conhecer como lidar com a volatilidade dos preços de energia, entre em contato!


How to deal with volatility?

Brazil has not built new hydroelectric plants with reservoirs, for many years

The preference has been for run-of-river plants.

It results in the need to dispatch thermal plants, much more expensive since the rainfall regime can vary, and quite a lot, from year to year.

This has been the normal situation!

The difference between those who obtain competitive energy prices and all the others, is the contracting strategy to mitigate this risk.

Does your company or institution address this issue?

If you want to know how to deal with the volatility of energy prices, get in touch!


 

Compartilhe:
Rafael Herzberg
Rafael Herzberg é consultor independente para assuntos de energia por mais de 30 anos. Premiado no Brasil e Estados Unidos por cases de eficiência energética, geração on-site e projetos to-the-fence. Palestrante no Brasil e Estados Unidos em eventos de energia. Presta consultoria para clientes consumidores de energia (indústria, comércio e instituições), ofertantes de soluções em energia, concessionárias e comercializadores de energia além de ser convidado para atuar em casos de arbitragem de contratos de energia.
http://pontoon-e.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *