O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), colegiado coordenado pelo Ministério de Minas e Energia, decidiu nesta quarta-feira, 19 de setembro de 2018, em reunião extraordinária, manter o acionamento de usinas termelétricas mais caras, pela quarta semana seguida. O texto da Nota emitido pelo CMSE pode ser acessado através desse link.

bhumann34 / Pixabay

A decisão vale para as usinas com Custo Variável Unitário o limite de Custo Variável Unitário (CVU de R$ 766,28/MWh) para o período de 22 a 28 de setembro. A medida diz respeito a um conjunto de 14 usinas e reafirma decisão tomada pelo comitê no dia 1° de setembro, quando acionou as usinas.

Pesou na decisão do comitê, que é responsável por monitorar as condições de abastecimento e o atendimento ao mercado de energia elétrica do país, o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas, principal fonte de geração de energia no país.

A medida levou em consideração os atuais níveis de armazenamento dos subsistemas do Sistema Interligado Nacional (SIN). Segundo o texto da Nota emitida pelo CMSE, o ONS destacou que no mês de setembro de 2018, até o dia 17, foram verificados os valores de Energia Natural Afluente – ENA bruta de 72% no Sudeste/Centro-Oeste, 124% no Sul, 43% no Nordeste e 83% no Norte, referenciados às respectivas Médias de Longo Termo – MLT. A ENA das bacias dos rios Grande, Paranaíba, São Francisco e Tocantins, que juntos concentram cerca de 80% da capacidade de armazenamento do Sistema Interligado Nacional – SIN, apresentaram no mês de setembro de 2018, até o dia 17, os valores de ENA bruta de 45%, 57%, 41% e 56%, respectivamente, referenciados às respectivas Médias de Longo Termo – MLT.

A Energia Armazenada – EAR verificada no dia 18 de setembro de 2018 foi de 24,9%, 51,7%, 30,1% e 47,9% nos reservatórios equivalentes dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte, respectivamente, referenciados às respectivas EAR máximas.

A perspectiva é que o CMSE é de realizar reuniões extraordinárias semanalmente para debater a situação dos reservatórios das usinas.  Segundo a Nota: “O CMSE permanecerá acompanhando permanentemente as condições de suprimento do Sistema Elétrico Brasileiro, principalmente no que se refere ao nível dos reservatórios, com reuniões semanais para avaliação do despacho termelétrico fora da ordem de mérito”.

Sobre o outro objetivo da reunião, o de reavaliar as condições de suprimento eletroenergético em todo o território nacional, o Comitê reiterou a garantia do suprimento no ano de 2018 e destacou que há recursos energéticos disponíveis, inclusive além dos montantes já despachados de usinas termelétricas.

Bandeiras tarifárias

Ontem (18), o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, descartou a possibilidade de revisão no valor das bandeiras tarifárias. As bandeiras são acionadas em período de escassez de chuvas, quando há redução no nível dos reservatórios nacionais. Nesses períodos há o acionamento de usinas térmicas, cujo custo de produção é mais alto.

Fonte: Nota informativa da reunião extraordinária do CMSE, e artigo da Agência Brasil (http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-09/comite-do-setor-eletrico-mantem-acionadas-termeletricas-mais-caras).

 

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *