Consolidação do período úmido nos últimos dois meses e afluências acima da média no Sistema têm impacto direto na redução do preço em todo o país

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE apresentou, nesta segunda-feira (3/12), durante o InfoPLD ao vivo (exibido em www.ccee.org.br/aovivo), análise do comportamento do Preço de Liquidação das Diferenças – PLD ao longo do mês de novembro e início de dezembro. A melhora considerável do cenário hidrológico impactou diretamente na redução do PLD médio projetado para 2019, saindo de R$ 120/MWh para R$ 89/MWh no submercado Sudeste/Centro-Oeste.

“Houve aumento nas afluências em outubro e novembro, reflexo da configuração da estação chuvosa e chegada do período úmido, o que aumentou o transporte de umidade ao longo do corredor Norte-Sudeste e, consequentemente, a Energia Natural Afluente – ENA no Sistema Interligado Nacional – SIN. Este cenário possibilitou ENAs acima da média para o período, principalmente no Sul e Sudeste, com impactos diretos no PLD”, afirma Camila Giglio, da gerência de preços da CCEE.

Em novembro, as afluências registradas no SIN ficaram acima da média no Sudeste/Centro-Oeste (133%) e no Sul (110%). As projeções para dezembro permanecem positivas para o Sudeste (121%) e próximas à MLT no Sul (83%), Nordeste (91%) e no Norte (90%). “Tais previsões, mesmo abaixo da média histórica, indicam a recuperação das ENAs nestes últimos dois submercados”, lembra.

A melhora na hidrologia, principalmente no Sudeste, também refletiu nos níveis iniciais de armazenamento dos reservatórios do Sistema. “Quando comparamos os níveis registrados em 30 de novembro, frente ao início do mesmo mês, observamos um aumento de 4.4 p.p. no Sudeste (24,2%) e de 4 p.p. no Nordeste (29,8%). No Sul (69,6%) e no Norte (22,4%), houve queda nos níveis dos reservatórios, mas pouco significativa”, aponta Giglio.

O cenário positivo de afluências impactou no PLD médio de novembro, que ficou em torno de R$ 123/MWh e, principalmente no preço da primeira semana de dezembro, fixado na faixa de R$ 59/MWh em todos os submercados. Para 2018, o PLD médio projetado não apresentou alteração significativa, ficando em R$ 288/MWh frente aos R$ 293/MWh previstos no início de novembro.

A expectativa para o fator de ajuste do MRE, em 2018, foi revista para 81,4%, com índices em 78,6% para novembro e 96,7% para dezembro. Quando a projeção do MRE é ligada à repactuação do risco hidrológico, que considera a sazonalização “flat” da garantia física, aponta índices de 86,3% e 90%, respectivamente.

Já o impacto financeiro da análise do MRE, dentro do cenário hipotético de 100% de contratação da garantia física, é de R$ 35 bilhões para o ano, sendo R$ 23 bilhões referentes ao Ambiente de Contratação Regulada – ACR e R$ 12 bilhões ao Ambiente de Contratação Livre – ACL.

Os Encargos de Serviços do Sistema – ESS, por sua vez, devem alcançar R$ 155 milhões em novembro, sendo R$ 106 milhões por restrição elétrica e R$ 49 milhões por conta de um encargo novo, a reserva operativa de potência. Para dezembro, há previsão de encargos em R$ 66 milhões por conta da restrição operativa.

Entenda o PLD

 O PLD é o preço de referência do mercado de curto prazo, utilizado para precificar o que foi gerado e o que foi consumido de energia elétrica por todos os participantes do mercado (que operam no âmbito da CCEE).

A CCEE apura mensalmente o total de energia consumido pelos consumidores que compram no Ambiente de Comercialização Livre – ACL e pelos cativos do Ambiente de Contratação Regulado – ACR. Os contratos negociados no mercado livre, fechados entre o comprador e o vendedor (pelos geradores, comercializadores e consumidores livres e especiais) e pagos bilateralmente, também são registrados na CCEE. Por sua vez, no mercado cativo os contratos são fechados em leilões regulados pelo governo, informações também registradas pela CCEE. Caso haja mais consumo ou geração do que os montantes contratuais registrados, essas diferenças são liquidadas mensalmente no mercado spot (à vista ou de curto prazo, como também é conhecido). Todos os devedores (subcontratados) pagam em igual proporção para os credores (sobre contratados).

O valor utilizado para este acerto é o Preço da Liquidação das Diferenças – PLD que é calculado semanalmente pela CCEE e, após Resolução Homologatória da ANEEL de número 2.364, de 21 de dezembro de 2017 – tem valor teto de R$ 505,18/MWh e piso de R$ 40,16/MWh, vigentes a partir da primeira semana operacional de janeiro/2018.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação da CCEE


Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *