A economia brasileira sofreu um grande impacto por conta da greve dos caminhoneiros nas últimas semanas de maio. O setor elétrico não ficou imune aos impactos da paralisação. Em uma análise especial do comportamento do consumo no período, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE identificou que o mercado livre reduziu seu consumo em 2,4% em relação ao mesmo período de 2017. Durante a greve, setores industriais chegaram a registrar até 39% de queda de demanda de energia.

“Buscamos oferecer ao mercado informações e análises atuais e de qualidade, que permitam aos agentes entender e se posicionar diante dos diversos cenários do setor elétrico, com suas peculiaridades. Temos assim a convicção de que há contribuição relevante para a evolução e segurança das operações de comercialização de energia”, destaca Carlos Dornellas, gerente executivo de Monitoramento, Gestão de Penalidades & Informações da CCEE.

No documento divulgado pela CCEE nesta sexta-feira (15), os ramos de atividades mais impactados foram o alimentício (-39,5%), de bebidas (-31%), de veículos (-28,6%) e de manufaturados diversos (-24,2%), que reduziram seu consumo principalmente entre os dias 23 e 31 de maio. Vale destacar que, nas primeiras semanas de maio, os mesmos segmentos industriais apresentavam crescimento de consumo em relação a 2017.

O mercado livre de energia foi mais afetado que o mercado regulado pela greve dos caminhoneiros, registrando redução de 2,4% do consumo ao excluirmos a influência das migrações de clientes de um ambiente para outro. No balanço geral do mês, o consumo de energia alcançou 59.137 MW médios em 2018, ficando estagnado em relação aos 59.141 MW médios do mesmo período do ano passado.

No caso da geração de energia, apenas as usinas movidas a biomassa sofreram impactos por conta da greve dos caminhoneiros. A última semana de maio apresentou redução de 33% de produção diante da média destes geradores na primeira quinzena do mês.

Confira aqui a análise completa sobre os impactos da greve dos caminhoneiros no setor elétrico.


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *