O Governo do Distrito Federal em parceria com a ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) e o PTI ( Parque Tecnológico Itaipu) lançam em Brasília o programa Veículo para Eletromobilidade (VEM DF), de compartilhamento de carros elétricos.

Inicialmente o VEM DF será usado por servidores públicos do Distrito Federal que poderão realizar trajetos curtos com carros elétricos compartilhados. A frota inicial é de de 16 carros elétricos do modelo Renault Twizy, que podem atingir até 80 km/h de velocidade, e têm autonomia para rodar 100 quilômetros com uma carga de bateria.

O PTI é o responsável pelo desenvolvimento de um software (MoVE), que permite aos usuários reservarem os veículos disponíveis, assim como acompanharem, em tempo real, informações como localização, velocidade, carga de bateria, rotas percorridas e até a quantidade de dióxido de carbono (CO²) que está deixando de ser emitida na atmosfera.

Coube ao Parque Tecnológico também adaptar os veículos à tecnologia e oferecer treinamentos aos usuários. “Temos um projeto semelhante, que já foi validado e deu muito certo. Em Brasília não deve ser diferente”, destacou o diretor-superintendente do PTI, General Eduardo Castanheira Garrido Alves. Ele também lembrou do papel do Parque em “promover tecnologias sustentáveis e contribuir para tornar as cidades mais inteligentes”.

Para garantir o carregamento dos veículos, 35 eletropostos (pontos de recarga) devem ser instalados por todo o Distrito Federal até o final deste ano. A infraestrutura fabricada pela WEG será gratuita e de uso coletivo, permitindo a utilização de veículos de qualquer montadora.

Igor Calvet, presidente da ABDI, explicou que o objetivo da Agência no projeto “é divulgar soluções e promover o investimento em eletromobilidade, que é um dos alicerces estratégicos das cidades inteligentes”. Já o GDF, com a iniciativa, busca reduzir custos com a manutenção e combustíveis da frota oficial.

Cenário favorável

Brasília (DF) possui algumas vantagens quanto ao uso de carros elétricos. O relevo predominantemente plano reduz o consumo de bateria; a temperatura é favorável; e a tensão de 220 volts dispensa adaptações para a instalação dos eletropostos.

Em princípio, o VEM DF terá uma rota restrita à Esplanada dos Ministérios e sedes dos órgãos da administração do DF. O investimento total do projeto foi de R$ 3,1 milhões, sendo R$ 2,1 milhões da ABDI, utilizados na compra dos carros e dos eletropostos, e R$ 1 milhão do PTI, com o desenvolvimento do software.

Como funciona?

O desbloqueio dos carros poderá ser realizado pelo servidor por meio de seu próprio cartão após cadastro prévio. Pelo aplicativo, os veículos poderão ser reservados. Para o bom funcionamento da tecnologia, os usuários devem seguir algumas orientações simples, como realizar as reservas sempre via software; deixar o carro carregando sempre que estiver parado nas vagas destinadas ao projeto com eletroposto; e não utilizarem veículos para reuniões demoradas em locais que não haja ponto de compartilhamento.


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *