BRASÍLIA (Reuters) – Um aliado de Jair Bolsonaro venceu nesta quinta-feira o voto do presidente do Senado, estimulando os esforços do presidente de extrema direita para abrir a economia, combater o crime e promulgar medidas socialmente conservadoras.

O senador Eunício Oliveira preside sessão conjunta do Congresso Nacional.

Davi Alcolumbre, do partido Democrata, foi apoiado pelo filho do presidente, o senador Flavio Bolsonaro, e pelo chefe de gabinete de Bolsonaro, Onyx Lorenzoni. Ele ganhou 42 votos, um a mais do que o necessário para se tornar presidente do Senado.

Sua eleição acontece um dia depois que Rodrigo Maia, também do partido Democrata, venceu sua candidatura para continuar líder da Câmara dos Deputados.

Suas vitórias devem ajudar Bolsonaro à medida que ele tenta aprovar uma reforma previdenciária que é amplamente vista como necessária para sustentar as finanças públicas do Brasil, mas é provável que enfrente forte oposição.

Os líderes dos órgãos legislativos do Brasil têm amplos poderes para escolher quais projetos de lei são debatidos e quando. Com dois chefes legislativos amigáveis ​​aos negócios, o projeto de reforma da previdência de Bolsonaro tem uma chance melhor.

No entanto, a maneira de ganhar Alcolumbre pode anunciar problemas.

Ele derrotou o senador Renan Calheiros, um policial político que estava procurando sua quinta presidência do Senado e pediu uma votação secreta.

Mas Flavio Bolsonaro revelou que ele votou a favor de Alcolumbre, um movimento visto como indicando onde estava a preferência do governo e provavelmente condenando Calheiros, que posteriormente se retirou.

Protestos em massa na Venezuela como Maduro flexiona músculo político

“Esse processo não é democrático”, afirmou Calheiros.

Calheiros goza de forte apoio entre os estadistas mais velhos da Câmara, mas está cada vez mais em desacordo com o crescente ressentimento público contra a classe política veterana, vista por muitos brasileiros como corrupta.

Ele será agora o chefe de fato de um poderoso grupo de senadores que poderia representar uma dor de cabeça para a agenda legislativa de Bolsonaro na câmara alta.

Reportagem de Ricardo Brito; Escrita por Gabriel Stargardter; Edição de Rosalba O’Brien


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *