As energias renováveis continuaram dominando novas adições à matriz global de geração de energia elétrica no ano passado. A capacidade renovável alcançou 2.537 GW renováveis em todo o mundo no final de 2019, um aumento de 176 GW em relação ao ano anterior.

A Ásia, com 330,1 GW de capacidade instalada, é a parte do mundo com maior capacidade fotovoltaica. A China é o maior mercado da região, com 205,7 GW de instalações acumuladas.

México, América Central, América do Sul e Caribe

Quanto à América Latina, o México possui 4.426 MW, a América Central e o Caribe adicionam 2.141 MW e a América do Sul, enquanto isso, atingiu 6.464 em 2019.

Na América Central e no Caribe, a capacidade fotovoltaica conectada à rede atingiu 2,1 GW. Os maiores mercados da região são Honduras (511 MW), República Dominicana (293 MW), Panamá (242 MW) e El Salvador (237 MW).

Na América do Sul, os maiores mercados são Chile e Brasil, com 2,6 GW e 2,4 GW de instalações acumuladas, respectivamente. A capacidade fotovoltaica instalada cumulativa do continente era de 6,46 GW no final de dezembro.

Por seu turno, a América do Sul registrou 6.464 em comparação com 5.246 MW em 2018. O país líder na região é o Chile, com 2.648 MW, seguido pelo Brasil, com 2.485 MW. Embora não seja tão significativa em termos absolutos, a Argentina também experimentou um forte crescimento e mais do que duplicou em 2019 a capacidade instalada em 2018, que passa de 191 MW para 441 MW.

Fotovoltaica Instalada

Em relação à capacidade fotovoltaica sem conexão à rede, atingiu 45.544 MW em 2019 na América Central e no Caribe, onde a República Dominicana, com 21.046 MW, é o país líder; e 91.230 MW na América do Sul. Nesta região, destacam-se o Peru (60.612 MW), seguido pelo Brasil, com 7.227 MW, Bolívia (4.860 MW) e Colômbia (4.636 MW).

O relatório é publicado em meio a uma crise global que afeta praticamente todas as esferas da vida e alerta: “Como uma ameaça existencial, as consequências multifacetadas do Coronavírus estão agora posicionadas ao lado das mudanças climáticas como um desafio decisivo do nosso tempo. Ao responder à crise de hoje, os governos podem ficar tentados a se concentrar em soluções de curto prazo. No entanto, as distinções entre desafios de curto, médio e longo prazo podem ser enganosas. As medidas de estímulo econômico também devem incluir metas de sustentabilidade e clima “.


 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *