CANALENERGIA | A AES Tietê anunciou que vai investir R$ 3,4 milhões para desenvolver o primeiro balcão organizado no Brasil para comercialização de energia elétrica, utilizando a tecnologia de blockchain como ferramenta de segurança para as transações.

O projeto, desenvolvido em parceria com a companhia curitibana de energy intelligenge Fohat, será financiada com recursos do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Simplified products will be key to engage the long tail of customers that want to take part in the distributed energy transition.

A Fohat é a primeira e única companhia da América Latina a aplicar blockchain no setor de energia e tem know-how também no mercado australiano, onde a energia é comercializada 100% no mercado livre.

O blockchain é um sistema de segurança inovador que surgiu com as criptomoedas. Seu caráter descentralizado e compartilhado garante a segurança das transações. Funciona como uma teia pública que está em constante evolução e monitoramento. Para o seu correto funcionamento exige consenso e coordenação entre as informações.

“Além de segurança financeira, nossa plataforma garantirá também a confiabilidade de dados e altos volumes de energia transacionados, graças à integração entre as ferramentas de inteligência financeira e registro de contratos criptografados por meio da aplicação de blockchain”, declarou em nota o CEO da Fohat, Igor Ferreira.

O projeto “AES Tietê de Energy Intelligence”, que se iniciou em outubro, permitirá a agentes do mercado comercializar energia por meio de um balcão organizado com solidez, segurança e escalabilidade.

Será ambiente totalmente digital que possibilitará a compra e venda de energia com a existência de uma contraparte central, que garante a custódia e a liquidação de contratos bilaterais de energia para compradores e vendedores.

Hoje a compra e venda no chamado Ambiente de Contratação Livre (ACL) acontece no modelo não organizado, isto é, sem a presença da contraparte central. Isso pode gerar fragilidade na contratação bilateral, dando margem à baixa liquidez e baixa transparência, além de limitar a expansão diante do iminente crescimento do Mercado Livre de Energia.

“Esta parceria é mais um importante passo que corrobora com nossa estratégia de digitalização e inovação”, disse Rogério Jorge, diretor de Relacionamento com o Cliente e Inovação da AES Tietê. “Cada vez mais vemos soluções disruptivas tomando o segmento, por isso buscamos estar sempre à frente com projetos pioneiros que possam, no futuro, agregar valor ao nosso negócio”, completou.

I-RECs – Complementarmente ao balcão organizado, a Fohat implementará outras soluções de energy intelligence, como Usinas Virtuais de Energia (VPPs) e, em um trabalho conjunto com a Energy Web Foundation (EWF), entregará a possibilidade de emitir certificados de energia renovável (os chamados I-RECs) através da plataforma.

O Brasil é o 2º maior emissor de I-RECs do mundo, com 500 mil certificados emitidos (equivalente a meio milhão de megawatt hora) no primeiro semestre deste ano, ficando atrás apenas da China, de acordo com o REC Market Meeting.

Por Wagner Freire

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *