Os preços dos sistemas fotovoltaicos de geração distribuída no Brasil continuam mostrando a mesma tendência de queda registrada nos últimos dois anos. Isto é revelado por um novo relatório da consultoria brasileira Greener, segundo o qual os preços dos sistemas fotovoltaicos neste segmento (até 1 MW) caíram ainda mais no período de junho de 2017 a junho de 2016.

O consultor relata, por exemplo, que o preço médio de um gerador solar residencial de 4 kW caiu 12,5% de R $ 6,58 / W em junho de 2017 para R $ 5,76 / W em junho de 2018. Para  último valor, Greener observou que R $ 2,11 representa o custo da integração do sistema, enquanto o custo do preço médio do próprio sistema representa os R $ 3,65 restantes.

Para um sistema comercial de 50 kW, o preço caiu anualmente em torno de 8%, de R $ 4,83 / W para R $ 4,41 / W. Desse preço, R $ 1,52 representa os custos de integração, enquanto R $ 2,89 é para o preço do sistema.

O preço médio de um sistema de geração distribuída de 1 MW diminuiu 9,5% nos últimos doze meses, de R $ 4,18 / W para R $ 3,78 / W, um valor que combina R $ 1,05 para custos de integração e R $ 2,37 para o custo da gerador.

O relatório também revela que, no final de junho, 32.366 sistemas fotovoltaicos de geração distribuída, totalizando 308,5 MW, haviam sido conectados à rede elétrica brasileira. A capacidade instalada nos seis meses deste ano foi de 126,5 MW, o que já é superior ao que o Brasil instalou ao longo do ano de 2017, que foi 120,3 MW.

Segundo Greener, além disso, da capacidade total instalada, cerca de 43,8% é representada por instalações comerciais, enquanto a fotovoltaica residencial representa outro 40%. O estado com a maior participação é Minas Gerais com 69,5 MW, seguido pelo Rio Grande do Sul e São Paulo com 45,2 MW e 39,7 MW, respectivamente.

O que é ainda mais impressionante para o primeiro semestre deste ano, entretanto, é o volume de módulos fotovoltaicos importados, totalizando 413,5 MW, enquanto a sua venda atingiu 410,5 MW. Em 2017, as importações totalizaram 332,6 MW e as vendas de painéis fotovoltaicos atingiram 297,6 MW.

O relatório, que é baseado em dados coletados de 768 integradores brasileiros entre 18 de junho de 2017 e 11 de julho deste ano, também revela que aproximadamente 36% dos instaladores fotovoltaicos entrevistados não estão satisfeitos com o estado atual do mercado. Os autores do relatório ressaltam, no entanto, que esse percentual em maio de 2017 ficou em torno de 50%, evidentemente uma sinal de que o mercado está evoluindo de maneira positiva.

Greener também informa que Sices, Aldo e Renovigi continuam sendo os três maiores fornecedores de sistemas fotovoltaicos do país, enquanto a Canadian Solar (que opera uma fábrica de módulos solares no Brasil), a Jinko e a Risen são as três maiores fornecedoras de módulos do segmento GD no Brasil, com o primeiro fabricante representando uma participação de mercado de 62,1%.

O relatório também traz mais informações sobre o crescimento do setor, os desafios no fornecimento de módulos, os preços dos kits fotovoltaicos, contratos, opções de financiamento, entre outras informações sobre agentes de mercado.


 

Compartilhe: